Há energia eólica suficiente sobre os oceanos para atender a civilização humana, dizem cientistas

Como as velocidades do vento em média são mais altas sobre o oceano do que na terra, as turbinas eólicas no mar aberto poderiam teoricamente interceptar mais de cinco vezes mais energia do que as turbinas eólicas sobre a terra. Isso apresenta uma atraente oportunidade para gerar energia renovável através de turbinas eólicas. Mas não se sabia se uma grande quantidade dessa eletricidade poderiam realmente ser convertidos em eletricidade.

A maior parte da energia capturada por grandes parques eólicos se origina mais acima na atmosfera e é transportada para a superfície onde as turbinas podem extrair essa energia. Outros estudos estimaram que existe uma taxa máxima de geração de eletricidade para parques eólicos terrestres e concluiu que essa taxa máxima de extração de energia é limitada pela taxa em que a energia é movida para baixo de ventos mais rápidos e superiores.

“A verdadeira questão é”, disse Caldeira, “a atmosfera do oceano pode mover mais energia para baixo do que a atmosfera sobre a terra é capaz?”

As ferramentas sofisticadas de modelagem da Possner e da Caldeira compararam a produtividade de grandes parques eólicos de Kansas com grandes parques teóricos eólicos e descobriram que, em algumas áreas, os parques eólicos com base no oceano poderiam gerar pelo menos três vezes mais energia do que os terrestres.

Saiba mais

ENERGIA EÓLICA

Inicia a corrida pela energia eólica no Estado de São Paulo

Centenas de morcegos morrem por colisão com turbinas eólicas no Reino Unido, diz estudo

No Atlântico Norte, em particular, o arrasto introduzido pelas turbinas eólicas não retardaria os ventos tanto quanto o que seria em terra, Possner e Caldeira fundamentaram. Isto é, em grande parte devido ao fato de que grandes quantidades de calor se espalham para o Oceano Atlântico Norte e para a atmosfera subjacente, especialmente durante o inverno. Este contraste no aquecimento da superfície ao longo da costa dos EUA gera a ocorrência frequente de ciclones, ou sistemas de baixa pressão, que atravessam o Atlântico e são muito eficientes em atrair a energia da atmosfera superior até o auge das turbinas.

“Descobrimos que os parques eólicos gigantes à base de oceano são capazes de aproveitar a energia dos ventos em grande parte da atmosfera, enquanto os parques eólicos em terra permanecem restritos pelos recursos de vento próximos da superfície”, explicou Possner.

No entanto, essa tremenda energia eólica é muito sazonal. Enquanto no inverno, os parques eólicos do Atlântico Norte podiam fornecer energia suficiente para satisfazer todas as necessidades atuais da civilização, no verão, tais parques eólicos poderiam apenas gerar energia suficiente para cobrir a demanda de eletricidade da Europa, ou possivelmente apenas os Estados Unidos.

A produção de energia eólica nas águas profundas do oceano ainda está apenas no começo de sua comercialização. Os enormes recursos de energia eólica identificados pelo estudo de Possner e Caldeira fornecem fortes incentivos para desenvolver tecnologias de baixo custo que possam operar no ambiente oceânico aberto e transmitir esta eletricidade para a terra onde pode ser usada.

Fonte: Sciencedaily